Projeto vai formar atletas de ponta no ciclismo olímpico

B7 Cycling é pioneiro no Sul do Brasil e produzirá série documental que resgata a história do esporte em Santa Catarina


Formar campeões e aproximar e inspirar a sociedade por meio do ciclismo é o objetivo do B7 Cycling, o primeiro projeto de ciclismo olímpico do Sul do Brasil, capitaneado pela B7 Films. Além do incentivo à prática da modalidade e preparação de atletas, a iniciativa inclui a produção de uma série documental que resgata a história do ciclismo no Estado, onde o esporte sempre foi destaque. Atualmente, é uma das modalidades com maior número de praticantes e competidores em Santa Catarina. As provas chegam a reunir mil atletas. No período da pandemia de covid-19, o ciclismo teve crescimento acentuado no mundo e no Brasil, com uma alta de cerca de 32% no segmento. Os países com maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) são os que possuem o maior número de bicicletas por habitante, como Alemanha, Holanda, França e Bélgica.




Junto da B7, que já tem suas obras distribuídas em 22 países, o projeto conta com a participação de dois profissionais consagrados na área: o atleta e treinador Ricardo Pscheidt, quatro vezes campeão brasileiro de Mountain Bike, 15 anos representando a seleção brasileira em Mundiais, Copas do Mundo e Pan-Americanos; e o treinador de ciclismo Vitor Costa, com sete títulos brasileiros, PHD em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e professor universitário. "Há alguns anos tenho a vontade de passar toda a experiência que ganhei dentro e fora das pistas para atletas que busquem um alto desempenho a nível nacional, buscando inclusive vagas na seleção brasileira e, como meta principal, chegar a uma convocação olímpica", afirma Pscheidt. O projeto já foi aprovado na Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte de Santa Catarina e está captando recursos, via lei de incentivo, com abatimento de 100% do valor investido no Imposto de Renda.


Inicialmente, o B7 Cycling contratará quatro atletas, após avaliação prévia de desempenho com mensuração de aptidão física e testes de performance. Os principais dados utilizados serão VO2 Max, FTP, além de entrevistas para avaliação psicológica. “O objetivo é levar estes atletas à mais alta performance a nível mundial, tornando-os aptos a disputar as mais importantes competições nacionais, continentais e mundiais”, explica Jorge Baggio, diretor da B7. A seleção dos atletas começa assim que 30% do valor total estiver captado. A base das avaliações será em Florianópolis.

O B7 Cycling é também um trabalho social e busca revelar ao mundo jovens talentos catarinenses e brasileiros, que ficam limitados à falta de perspetiva, incentivo e acompanhamento psicológico, na maioria das vezes. “Jovens crescem presos às telas e ambientes fechados, deixando de desenvolver habilidades cognitivas fundamentais para sua vida. Outros, ainda, crescem em ambientes hostis, sem acesso a necessidades básicas, como saúde e educação. O B7 Cycling vem como mais uma forma de mostrar novos caminhos para estes jovens, ampliando sua gama de oportunidades futuras”, destaca Baggio. Os atletas serão apoiados integralmente pelo projeto.


A equipe formada pelo B7 Cycling contará com canal no YouTube e no Instagram, onde o público poderá acompanhar a rotina de treinamento e preparação dos atletas, além dos bastidores das competições. Além da distribuição em canais abertos e fechados e nas principais plataformas digitais (Apple TV, Google Play, Net Now e Amazon), a série documental também será exibida gratuitamente em escolas públicas.

O B7 Cycling está alinhado, ainda, com práticas sustentáveis e com o incentivo à prática do ciclismo, ressaltando seus benefícios que vão além do esporte. A modalidade reflete em melhorias na mobilidade urbana, na preservação do meio ambiente e estimula o contato com a natureza.


Ciclismo e tecnologia

O B7 Cycling envolverá diferentes áreas do conhecimento, como ciência, tecnologia e análises frequentes por plataformas e softwares de treinamento. Para as avaliações físicas e de desempenho esportivo, serão realizados testes incrementais para avaliação fisiológica e identificação de limiares de lactato, consumo máximo de oxigênio e potência aeróbia máxima; e testes de desempenho, como o teste de perfil de potência para identificação de valores potência relacionados ao metabolismo aeróbio e anaeróbio, assim como em todas as principais faixas de treinamento. Serão utilizados equipamentos da mais alta tecnologia e rigor científico, presentes no Laboratório de Pesquisa e Desempenho Humano (LAPEDH) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), onde o professor Vitor Pereira Costa trabalha como pesquisador na área do desempenho esportivo. Costa soma mais de 30 artigos científicos sobre ciclismo publicados nas principais revistas de ciências do esporte. O LAPEDH/UDESC apresenta, ainda, um projeto de extensão comunitária para avaliação e acompanhamento do treinamento de atletas.


A prescrição do treinamento dos ciclistas será fundamentada nos principais modelos de periodização do treinamento e métodos de treinamento cientificamente estudados em atletas. As cargas de treinamento serão monitoradas por avaliações periódicas e por plataformas (trainingpeaks; intervals.icu) e softwares de análise de treinos (GoldenCheetah; WKO5), garantindo maior qualidade e precisão da evolução dos atletas ao longo da temporada competitiva.


Sobre a B7

A preocupação com o desenvolvimento sustentável e resgate histórico são a base da B7 Films. A produtora é responsável por documentários como Por Que Florianópolis?, Riquezas da Serra, Jamais Um Poeta Teve Tanto Para Contar e Das Quedas ao Topo: A trajetória de João Neto, que enfatizam personagens e vocações naturais, culturais e históricas de Santa Catarina. As produções já foram lançadas em 22 países, distribuídas pela O2 Play, Globo Filmes e Canal Off, além de estarem disponíveis nas maiores plataformas mundiais, como Amazon, Google Play e YouTube.