Brasil lida com a fuga de talentos em tecnologia para o Exterior

Falta de mão de obra qualificada no país faz com que empresas tenham de oferecer mais benefícios a quem fica no país A tecnologia é uma das áreas com maior tendência de geração de empregos no país, movimento acelerado pela pandemia e pelo aumento na procura por serviços online. Recentemente, um estudo da Brasscom, Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais revelou que as empresas de tecnologia vão demandar 797 mil talentos até 2025.

Apesar da constante abertura de vagas no setor, empresas vêm tendo dificuldade para contratar profissionais capacitados. A projeção é de um déficit anual de 106 mil talentos. Além da baixa oferta de mão de obra experiente, especialistas no segmento têm buscado - e encontrado - melhores oportunidades e salários maiores no Exterior. — Há muitos profissionais brasileiros qualificados que estão trabalhando fora do país ou então atuam em teletrabalho para empresas estrangeiras. Assim, conseguem ficar no Brasil e receber em moeda estrangeira e mais valorizada, como Dólar, Euro ou até mesmo Libra — constata o especialista em recrutamento Thiago Trossini, CEO da People & Value. — O recrutamento para as posições em aberto fica cada vez mais competitivo, aí entra o nosso trabalho de assessoria para conectar os melhores candidatos com as companhias, que estão aumentando a abrangência de seus processos seletivos — afirma.

Trossini reforça a necessidade de aprimoramento profissional para se conquistar espaço na área. — A competição fica mais acirrada entre os talentos que estão aqui, mas, por outro lado, passa-se a oferecer salários melhores e mais benefícios. As empresas que buscam esses profissionais também passam a se reinventar, oferecendo, por exemplo, cursos e treinamentos — avalia, indicando mais algumas medidas que podem ser adotadas pelas companhias para evitar a “fuga” de talentos para o Exterior: Feedback constante – É importante manter o profissional atualizado e valorizar seu desempenho, não apenas de forma financeira, mas com suas conquistas reconhecidas. É imprescindível que a companhia esteja disposta a ouvir o que seu colaborador tem a dizer.

Gestão humanizada – Os gestores precisam reconhecer que a vida de seus colaboradores não envolve apenas o trabalho, e que o que acontece fora dele pode influenciar nos resultados. Neste sentido, é mais importante focar em buscar soluções do que apontar culpa quando houver falhas.

Autonomia – Permitir que para alcançar as metas e melhores resultados os colaboradores trabalhem no horário e no modelo que preferirem, remoto, híbrido ou presencial, contribui para um bom desempenho das funções. Também é positivo que o trabalhador tenha autonomia para colocar projetos e ideias em prática. Inovação – O setor de tecnologia vive em constante transformação. Assim, é cabível que se proponha novas tarefas e desafios à equipe para evitar que se perca a motivação ante funções repetitivas.


Crédito da foto: Divulgação